Parque do Mendanha precisando de reformas

Criado pela Prefeitura do Rio em 1993, com área de 1.500 hectares, o Parque abriga grande biodiversidade, típica da Mata Atlântica, com espécies raras e ameaçadas de extinção, rios, cachoeiras e trilhas ecológicas. Implandado em 2002 como Parque Natural Municipal da Serra do Mendanha pelo prefeito da época Cesar Maia e também Eduardo Paes como Secretário de Maio Ambiente. A ponte de madeira suspensa que precisa de reforma e pessoas para orintar na trilhas. Mesmo assim, com dificuldades, a administração do parque nunca fechou as portas e recebe muitos alunos da rede municipal para visitação.

Essa região de mata durante muitos anos era de própriedade da Fábrica. A necessidade de captação d’água levou a fábrica a construir um reservatório na Serra do Mendanha, acompanhado de um aqueduto. Este reservatório ficou conhecido como “Caixinha” e se transformou em ponto de referência do Maciço para os habitantes da região. A “Caixinha” foi durante muito tempo utilizada como área de lazer para os dirigentes da Fábrica Bangu, pelas belezas naturais do local.

O parque é uma das unidades de conservação mantidas pela prefeitura do Rio através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMAC) e possui uma área de 1.450 hectares, localizado nas serras do Mendanha e do Quitungo, região de Mata Atlântica.

A área é bastante freqüentada pelos morados da zona oeste, e um dos pontos altos do parque são a piscina natural e as cachoeiras. Lá dentro existem duas trilhas: uma com ponte de madeira suspensa e presa nas árvores, e outra que leva a um mirante a 16m de altura que possibilita uma visão geral da área. Para as crianças existe um playground com balanços e gangorras feitos em madeira. Para os adeptos da carne, churrasqueiras estão à disposição.